Perfil - Sirlei Bittencourt Pinheiro Brod
Uma vida de amor pela educação
Publicado em 27 de Novembro, 2017      |      Visto 1.330 vezes

Natural de Matelândia ? PR, veio para Medianeira no final de 1983, com uma missão estabelecida, dar aula na escola da Frimesa. Na época já era professora, sua carreira de magistério começou muito cedo, aos 12 anos já atuava como alfabetizadora.

Filha de Sadi e Ana, pais de oito filhos, Sirlei iniciou seu ofício bem cedo: "Minha mãe era professora, sempre moramos perto da escola, que era na Zona Rural. Quando aprendi a  engatinhar já subia as escadas da escola e passei a conviver nesse ambiente. Descobri aos quatro anos que já sabia ler, em uma aula de minha mãe que era professora. A partir daí continuei  ajudando minha mãe, então sempre fui envolvida com educação. Esse envolvimento despertou a minha paixão pelo magistério, desde sempre soube que iria ser professora", comenta.

Aos 14 anos, teve seu primeiro emprego de professora com carteira assinada. Concluiu o magistério em Medianeira e já começou a trabalhar. Mais tarde, formou-se em História, sua grande paixão.

Casada há 28 anos com Valdir Brod, é mãe de três filhas, Anne, Mariana e Fernanda, e avó de Maria Eduarda e Arthur:  "Sempre fui muito mãezona, protetora,  mas sempre cobrei, e incentivei os estudos, tudo com muito amor. Sou muito grata à Deus pelas filhas que tenho e pela formação que eu e o Brod pudemos proporcionar  à elas. Formação em todos os aspectos, principalmente de caráter.  E tudo isso com a grande participação do Brod, que sempre me apoiou, sendo um pai e um marido muito dedicado, um grande parceiro de vida".

AMESFI E AMOA

Em 1984, lecionando na escola do Bairro Frimesa, se deparou com uma aluna surda em sua classe: "Não tinha a menor ideia que iria trabalhar com educação especial algum dia. Não havia orientação para a alfabetização dessa aluna, e precisei encontrar uma forma de ensiná-la. Ela era muito esperta e inteligente, segui o raciocínio prático, com exemplos, então percebi que isso funcionou para ela, comecei a carregar coisas, figuras, objetos, tudo que ensinava eu levava algo para ela entender".

Depois de um tempo, trabalhando na Escola Olavo Bilac, compartilhou a vontade de querer dar aula para a turma especial: "A direção estava procurando alguém para fazer um treinamento para educação de surdos, eu fui  e nunca mais parei, me aposentei como professora de surdos. Foram 27 anos".

Quando a educação de surdos começou a ser divulgada, a demanda aumentou muito, e surgiu a ideia de fundar uma associação e dessa forma nasceu a AMESFI: "Reunimos várias pessoas, e fundamos a AMESFI, que hoje tem 22 anos. O trabalho com alfabetização de surdos vai muito além da sala de aula. A pessoa surda precisa de suporte, aperfeiçoamento, direcionamento, a vida inteira, não só na parte de alfabetização. Ter uma instituição que o represente é muito importante, é direito deles, e a sociedade tem que proporcionar isso. As pessoas precisam reconhecer a identidade do surdo, para que ele seja um cidadão completo".

Atualmente, Sirlei voltou a fazer parte da AMESFI, e ocupa o cargo de Vice-Presidente da Associação: "O trabalho que essa instituição traz para a comunidade surda e para a sociedade de Medianeira é fantástico, a AMESFI está presente em todas as etapas. Fazer parte disso é extremamente gratificante ver eles inseridos na sociedade, se formando em cursos superiores, trabalhando em vários setores. Sempre acreditei muito no potencial dos surdos, e até hoje me surpreendo com eles. Isso me tornou cada dia melhor, como ser humano, é um sentimento de transformação. Ser professor é fazer tudo com amor, não importa a sua formação".

Sirlei também foi uma das idealizadoras e fundadoras  da AMOA, que atende crianças com necessidades especiais, através de uma equipe multidisciplinar e também escola: " A AMOA é uma história de amor, quando em 2006, as crianças com dificuldade de aprendizagem ficaram sem amparo e atendimento especializado.  Assim, através de uma necessidade de uma pessoa da família, surgiu essa ideia e começamos a estruturar de que maneira faríamos isso. Começamos a falar com as pessoas e algumas foram fundamentais, a Roberta e o Giumar da Alternativa são exemplos disso. Quando vimos havia 200 pessoas, e botamos a mão na massa. Começamos sem um centavo, e com muita luta, conseguimos convênios que sustentam a entidade até hoje, como o credenciamento do SUS e o convênio com o Governo do Estado, por exemplo.

Atualmente, Sirlei é membro do Lions Clube, e participa nas ações do clube, na comissão de Educação.

MISSÃO

"Eu entendo tudo isso como uma missão de Deus, ele distribui os dons, e temos que estar atentos aos chamados. Acredito muito em Deus, sem essa força, nada faz sentido. A minha força vem de Deus e do Amor. Não sou a única que tem essa missão, todos nós temos dons preciosos, e participando, se colocando à disposição é que percebemos o quão grande pode ser a nossa obra", comenta.

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO

"Sou de família pobre, e sempre vi na educação uma possibilidade de mudar isso, de ajudar minha família. Defendo com unhas e dentes que a educação é a base de tudo. Chegará o dia que vamos dizer que valeu a pena não ter desistido da educação. A mudança está em suas mãos. No Brasil, falta uma maior valorização do professor, infelizmente vemos que é uma das profissões menos valorizadas, incluindo a falta de investimentos na formação desse profissional, para que ele seja preparado para ser um agente transformador de qualidade. E outra coisa, formação de caráter e educação pessoal vem de casa, a função do professor é o aprendizado", explica.

A Professora Sirlei também acredita que o ensino superior é de extrema importância, e todos devem buscar aquilo que gostam: "Sempre dizia para meus alunos, minhas filhas, meus netos, nunca parem de estudar. A educação te permite viver com dignidade".

EDUCAÇÃO EM MEDIANEIRA

" Dos 33 anos que estou em Medianeira, é formidável ver o crescimento dessa cidade em todos os aspectos; quem mora aqui, são pessoas de sorte, aqui a comunidade é muito solidária, há clubes de serviços, instituições e entidades muito atuantes. Também temos um polo educacional aqui, fora do comum, as escolas municipais e estaduais são muito  boas, professores preparados, espaço físico adequado e  APMFs  comprometidas,  UTFPR, UDC, escolas particulares, educação a distância, isso traz grandes  oportunidades  para a nossa cidade. Tenho orgulho de morar aqui, gosto das pessoas, do envolvimento para com o irmão. Somos acolhedores, sou fã do povo de Medianeira".

 

RECADO

"Como experiência de vida, o trabalho voluntário faz mais bem para você do que para quem você acha que está ajudando. É só uma troca de benefícios, amor, convivência, crescimento. O que dá sentido à vida é você se dedicar ao próximo, sem esperar recompensa. O reflexo é imediato, através do bem que isso te faz. Se coloque a disposição, faça com amor, faça pelo bem do outro, não existe medida ou quantidade, tudo é bem-vindo. Termino dizendo uma coisa que digo para todas as pessoas da minha família, que têm várias vertentes religiosas, não se apeguem em  religiosidade, é preciso ter espiritualidade, essa essência é o amor, e sem ele você não consegue transformar nada. Sou muito grata a minha família que me ensinou tudo isso.".

"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.(1 Coríntios 13:1)

Revista Guia, a nossa história começa com a sua!

© Copyright 2017 Revista Guia - Todos os Direitos Reservados